Lar das Crianças – 80 anos cuidando de quem mais precisa

Lar das Crianças – 80 anos cuidando de quem mais precisa

O Lar das Crianças da Congregação Israelita Paulista foi fundado em agosto de 1937. As fundadoras, Lotte Hamburger e Ida Hoffmann, duas mulheres alemãs, judias e refugiadas do nazismo decidiram abrigar e cuidar, em regime de semi-internato, das crianças, pequenos imigrantes, pequenos refugiados.

Para os fundadores da CIP – e para as fundadoras do Lar das Crianças – propiciar aos imigrantes a inserção social no Brasil era parte dos compromissos e responsabilidades de cada membro da comunidade: oferecer às famílias as condições de se estabelecer, procurar moradia, aprender a língua e encontrar uma ocupação profissional, enquanto as crianças recebiam educação, acolhimento, carinho.

Com a diminuição das ondas migratórias, o Lar foi abrindo espaço para crianças de toda a sociedade, sem distinção.

Em 1990 o trabalho educacional passa a ser realizado por uma equipe profissional interdisciplinar, que assume as atividades socioeducativas voltadas a crianças e adolescentes. Além disso, as famílias – parte integrante e fundamental dos resultados do nosso trabalho – são apoiadas pelo Lar.

Outro importante marco é a criação, em 2002, do Programa Passaporte para a Vida – PPV, para jovens de 15 a 24 anos. A implementação do novo programa responde às inquietações do Lar das Crianças sobre o futuro dos adolescentes que deixavam a organização aos 15 anos, quando cessava o atendimento. Com o PPV, expandiu-se o atendimento e todos passaram a contar com a oportunidade de prosseguir o seu desenvolvimento pessoal e profissional com o apoio institucional.

Com mais de 80 anos de compromisso com o acolhimento, a educação e o protagonismo de crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social, o Lar das Crianças atende diariamente 440 pessoas por meio de três programas: o Centro de Convivência Infantil, para crianças de 4 a 5 anos, o Centro para Crianças e Adolescentes para a faixa etária dos 6 aos 15 anos e o Programa Passaporte para a Vida, dos 15 anos ao encaminhamento profissional.

O nosso modelo de atendimento é longitudinal – os jovens passam, em média, 18 anos no Lar.

Nestes 80 anos, o objetivo continua o mesmo: cuidar de quem mais precisa. Dar condições para que todas as crianças e jovens realizem os seus sonhos.

Reescrevemos futuros.


Sem Comentários

Adicione um Comentário