Setembro Amarelo: Como cuidar da saúde mental o ano inteiro

Para conversar sobre a Campanha Setembro Amarelo, campanha de prevenção ao suicídio, entrevistamos a Soraia Bochi, psicóloga que trabalha desde 2007 promovendo a saúde mental no Lar das Crianças da CIP. Além de realizar os atendimentos das crianças, jovens e seus familiares, também cuida dos encaminhamentos para instituições parceiras que oferecem terapia semanal. O acompanhamento durante esse período é importante, mas em nossa conversa percebemos que esta atuação dura o ano inteiro.

Setembro Amarelo
Setembro Amarelo: Todos pela Vida

Quais ações o Lar das Crianças faz para a saúde mental durante o ano?

Acredito que todas as atividades em que as crianças estão envolvidas de certa forma contribuem para a promoção da saúde mental. Desde os projetos de sala, as atividades artísticas, lúdicas, esportivas, as rodas de conversa, conversas individuais até as palestras. Essas ações não são dirigidas apenas as nossas crianças, mas também aos seus familiares. Os cuidadores participam de algumas atividades no Lar como escola de pais, palestras, conversas de orientação sobre o desenvolvimento de seus filhos e todo esse envolvimento acaba repercutindo de maneira positiva. Dessa maneira, buscamos ter um olhar atento para nossas crianças e suas famílias, e na medida que percebemos uma demanda, vamos acolhendo-a.

Qual o papel da educação na prevenção aos transtornos mentais?

A educação tem papel fundamental na prevenção e promoção de saúde mental. E também são nos espaços educativos que podemos identificar algumas questões relacionadas a saúde mental e dessa maneira podemos atuar o quanto antes e de forma preventiva, evitando maiores dificuldades no futuro.

Como podemos atuar para prevenir o suicídio?

Não existe uma receita pronta. Mas devemos estar atentos ao comportamento da pessoa, ao discurso, e devemos acreditar sempre, e não encarar como uma ameaça. Um outro sinal que deve nos deixar em alerta é o fato da pessoa falar sobre morte com frequência e demonstrar falta de motivação, desesperança, culpa, falta de autoestima. Esses sinais podem ser percebidos pela fala, escrita e desenhos.

Por que é importante a gente participar da campanha Setembro Amarelo?

Falar sobre o assunto é fundamental. É uma maneira de deixarmos a porta aberta para darmos suporte a quem precisa e também é um movimento que tem por objetivo a prevenção.

Como posso abordar esse tema na sala de aula?

O tema pode ser abordado na medida que surge, quando é do interesse da turma. Deixar esse assunto ter espaço na sala, propor uma roda de conversa, propor atividades reflexivas sobre o assunto e até convidar um profissional da saúde mental para abordar o tema podem ser maneiras de abordar o tema em sala de aula. Aproveitar o mês da conscientização sobre o suicídio para deixar o assunto entrar na dinâmica do grupo e assim poderem trabalhar.

Soraia Bochi, psicóloga graduada em 2001 pela Universidade Paulista, com aprimoramento e especialização em Psicologia Clínica e Hospitalar  pelo Hospital do Servidor Público Estadual em 2003. Psicóloga Institucional no Lar das Crianças da Congregação Israelita Paulista desde 2007 e atua em projetos sociais desde 2002.

Para saber mais, entre no site da Campanha Setembro Amarelo e baixe a cartilha. 

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *