O Papel da Rede Socioassistencial na Educação | Entrevista com a Solange Rosa

A educação pode ser a solução, mas ela vai muito além da sala de aula. O Lar da Crianças da CIP oferece um trabalho interdisciplinar e grande parte dos resultados são obtidos através de um trabalho sensível e muitas vezes invisível: o serviço social.
‘’Uma família respeitada, acolhida e conhecedora de seus direitos, também cuida acolhe e rompe ciclos.’’ afirmou Solange Rosa, assistente social e coordenadora de ações sociais da instituição. 

Para entender melhor como o trabalho social acontece no dia a dia e a abordagem do Lar, que leva em consideração sua família e entorno, conversamos com quem atua diretamente na vida das famílias do Lar.

Qual o papel do Serviço Social no Lar?

O Serviço Social dentro da Instituição tem o dever primordial de garantir o acesso das famílias às políticas públicas e rede socioassistencial, conforme demanda. Promover espaços de escuta, buscar parceiros e criar estratégias de autonomia e fortalecimento de vínculo familiar, sempre respeitando a individualidade e histórico familiar.

Como é o seu trabalho no dia a dia?

O Serviço Social é a porta de entrada da Instituição, é aqui onde tudo começa, portanto, é importante que acolhimento e escuta sejam realizados de maneira atenta, principalmente quando se trata de novas famílias, pois, junto com equipe técnica (Multidisciplinar) são criadas estratégias de atendimento para criança/adolescente e família.
O meu trabalho é voltado às famílias. Acolher e promover um espaço de escuta qualificada, garantindo assim, que sejam atendidas de forma personalizada.  

O olhar atento nos atendidos diretos (crianças e adolescentes) possibilita que sejam realizadas intervenções, encaminhamentos, visitas domiciliares, orientação e, principalmente, garante que o trabalho desenvolvido seja respeitoso, garantindo que todos os indivíduos sejam olhados como pessoas de direito.  Uma família respeitada, acolhida e conhecedora de seus direitos, também cuida acolhe e rompe ciclos.

Quais são os desafios para romper com o ciclo da exclusão social?


Falar sobre esse assunto requer atenção especial sobre a dinâmica e construção do nosso país, uma vez que a exclusão social está ligada de forma direta com a de desigualdade, potencializando assim o processo de exclusão.

Na expectativa de romper esse processo, o acolhimento às famílias é um grande aliado para conhecer a dinâmica familiar. Assim, podemos criar estratégias de atendimento e/ou encaminhamento para o grupo ou indivíduo, construindo espaços de sensibilização para as famílias, garantindo acesso de conhecimento sobre seus direitos, visando estabilidade social, qualidade de vida, e principalmente o acesso às informações sobre seus direitos, principalmente sobre políticas sociais. 

O Lar, a partir do que compete a Instituição garante todos os direitos reservados a criança e adolescente, inclusive acesso à informação. Portanto, em conjunto com a equipe pedagógica é prioridade desenvolver conteúdo de acordo com a faixa etária e tema desenvolvido por cada educador. O Lar acredita que quanto mais cedo nossas famílias e crianças obtiverem informação mais rápida, esses ciclos e paradigmas se rompem.

Quais os benefícios de ter um trabalho multidisciplinar?


O olhar atento de profissionais de áreas distintas possibilita a criação de estratégias mais criativas e personalizadas. A complexidade de cada atendimento e histórico familiar exige um olhar amplo e atento, que só é possível através do trabalho multidisciplinar.

Como é a relação da instituição com as famílias?
Pensando principalmente no fortalecimento de vínculos, o Serviço Social no ano passado realizou o 1° Dia da Família. A Instituição abriu as portas em um sábado à tarde, para disponibilizar o espaço para que as famílias pudessem aproveitar o dia entre eles e amigos, que muitas vezes tinham curiosidade em conhecer a instituição. Foi uma tarde com atrações diversas, os pais puderam realizar juntos com os filhos um “minicampeonato” de futebol, realizar leituras na biblioteca, ou embaixo de uma árvore em nosso parque, colorir, realizar atividades manuais, participarem de peça de teatro e jogar bingo. Infelizmente por conta da pandemia tivemos que cancelar nossa 2° edição.
Conte exemplos práticos de como o serviço social pode fazer intervenções para ajudar as famílias, crianças e jovens?

Nossa Ação Social que já está na 8° edição também colabora no fortalecimento de vínculos, mas principalmente garante que as famílias do Lar tenham a oportunidade de acessar serviços como: realização de exames oftalmológicos, aferição de pressão, diabetes, acessória jurídica. O diferencial é que constatada qualquer alteração, realizamos o encaminhamento para um possível atendimento especializado, isso sendo somente possível através das parcerias realizadas. Além disto há também a possibilidade de participarem do nosso “mega bazar”, que é um sucesso.  Durante ano, o Serviço Social promove palestras de temas diversos para os pais, garantindo assim que a informação seja presente.

Outra intervenção que fizemos, a partir de informações acolhidas na rematrícula, realizada anualmente, pelo Serviço Social em parceria com três voluntárias, foi o projeto Pais na Escola. Este projeto tem o objetivo de auxiliar os pais que desejam aprimorar seus conhecimentos pedagógicos e/ou concluir etapas da escola formal, através do ENCCEJA – Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos. Realizamos também estudo do meio com os pais, contribuindo ainda mais no para o conhecimento e fortalecimento de vínculo entre Instituição e família.

Solange Rosa, formada em Serviço Social, Coordenadora de Ações Sociais no Lar desde 2014. 

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *